segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

O ministério da reconciliação (estudo bíblico)

ministério da reconciliação  (estudo bíblico)
Texto base: Romanos 5:1-11 
1 - TENDO sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; 
2 - Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. 
3 - E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, 
4 - E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. 
5 - E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. 
6 - Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. 
7 - Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. 
8 - Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. 
9 - Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. 
10 - Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. 
11 - E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação. 


1- Estávamos na condição de inimigos de Deus, por causa dos nossos pecados. O primeiro passo para a nossa reconciliação, partiu de Deus, foi a justificação. 
"TENDO sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo;" (v.1) 
- O que significa Justificação? Arthur Tappan Pierson, pastor presbiteriano do século passado, assim definiu: “ao justificar os pecadores, Deus os chama de justos quando, na verdade, não o são; deixa de imputar-lhes os pecados que eles tem e imputa-lhes justiça que eles não tem.” 
Em uma visão espiritual, justificação é o ato de tornar justo e sem culpa aquele que se tornou abominável a Deus por causa do pecado. E por mais que as religiões apresentem receitas para isso, como o chamado purgatório ou a pratica da caridade assistencial, a palavra da verdade é incisiva em dizer que houve um único ato que foi capaz de realizar esta obra entre a humanidade, a morte sacrificial de Cristo na cruz do calvário: 
“por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.” (Romanos 5:18) 
“O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação.” (Romanos 4:25) 
- Só através da justificação pelo sacrifício de Cristo pudemos alcançar a paz com o Deus Santíssimo. 
- A única forma de ter acesso a esta justificação é através da fé na verdade salvadora "TENDO sido, pois, justificados pela fé"  
"Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus." (Efésios 2:8) 
- O sacrifício de Cristo em si contém o poder de purificar, mas o homem só pode ter acesso a ele por meio da fé, crendo no seu magnifico nome. 

2 - Uma vez alcançado pela graça o cristão já pode se gloriar na esperança do que Deus lhe tem reservado: 
"Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus." (v.2) 
"Alegrai-vos na esperança..." (Romanos 12:12a) 

3 - O cristão maduro consegue se gloriar até mesmo nas tribulações: 
"E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência," (v.3) 
"... estou cheio de consolação; transbordo de gozo em todas as nossas tribulações." (2 Coríntios 7:4) 
"Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente;" (2 Coríntios 4:17) 
- O efeito das tribulações na vida do crente fiel é o fortalecimento da perseverança: "sabendo que a tribulação produz a paciência," 

4 - A perseverança produz experiência com Deus (maturidade), e esta por sua vez renova as esperanças do crente:  
"E a paciência a experiência, e a experiência a esperança." (v.4) 

5 - A esperança arranca de nós qualquer duvida ou temor, por causa do amor que o Espírito derramou em nossos corações: 
"E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado." (v.5) 
"No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor..." (1 João 4:18a) 

6 - Cristo nos amou incondicionalmente e se sacrificou por nós conhecendo todas as nossas imperfeições: 
"Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios." (v.6) 

7- O sacrifício de Cristo não foi em favor de nenhum justo, mas em favor de homens e mulheres que nada mereciam: 
"Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer." (v.7) 
"Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores." (v.8) 

8- Se quando estávamos nos nossos pecados Cristo se dispôs a morrer por nós, muito mais agora já justificados desfrutaremos as suas bênçãos: 
"Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira." (v.9) 
"Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida." (v.10) 
- Agora, depois de crer, e ter acesso à justificação pela graça salvadora de Cristo, já não somos mais estranhos e nem inimigos de Deus, mas herdeiros dele e co herdeiros de Cristo: 
“Para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna.” (Tito 3:7)  
"E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados." (Romanos 8:17) 

9- E o resultado da nossa justificação foi o ministério da nossa reconciliação: 
"E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação." (v.11) 
"E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação;" (2 Coríntios 5:18)